Choro comprido

53656029_3157550027611873_8173762998435840000_n

Embora lançado hoje (06/03), o novo clipe de Rodrigo Campos já estava pronto há mais de dez dias. O músico apresentou a obra a este blog no último domingo (dia 3/3) e a data de upload registrada no youtube da primeira versão que assistimos é do dia 21 de fevereiro. A coincidência quis que seu lançamento fosse justamente no dia seguinte ao primeiro rebaixamento da história da Vai-Vai — uma das escolas de samba mais tradicionais de São Paulo, com sede no Bixiga, e a única a ostentar 15 títulos do carnaval.

As imagens que compõem o vídeo de “Chorei Comprido” (com captação, edição e direção de Guilherme Destro) são registradas na quadra da agremiação — e tanto a melancolia que transborda dos versos como o olhar de reverência que move a edição se comunicam intuitivamente com a tristeza gerada após o resultado de ontem. Critérios técnicos à parte (muito contestados nas redes sociais e também em um artigo publicado no UOL), é de se lamentar que justamente um enredo chamado “Quilombo do Futuro” e um desfile cheio de referências à história negra tenham sido castigados com a última colocação.

O depoimento de Rodrigo, também enviado ao blog antes da apuração, agora soa premonitório. “Fiz a música pensando no ‘Mito de Sísifo’, de Albert Camus, e onde foi contextualizada, nos ensaios da Vai-Vai, a letra, transfigurada em metalinguagem (por conta da associação com as imagens) ainda contém o mito: é como se o percurso de uma escola de samba fosse também, como o de Sísifo, o de empurrar a pedra montanha acima o ano todo, e deixá-la rolar montanha abaixo no fim do desfile, pra recomeçar em seguida”, diz, referindo-se a um ensaio filosófico do escritor franco-argelino, de 1941. “É a condição humana, de novo, representada. A falta de sentido, inerente à vida, quando observada em arte, ou no processo artístico, pode nos encantar com a destreza do ser humano na invenção de sentido.”

Pelas veias do compositor, corre o sangue do samba paulistano de mestres como Geraldo Filme — aquele dos famosos versos: “Quem Nunca Viu o Samba Amanhecer / Vai no Bixiga Pra Ver / Vai no Bixiga Pra Ver”, um hino da Vai-Vai. De seus quatro discos lançados até aqui, dois deles — “São Mateus Não é Um Lugar Assim Tão Longe” (de 2009) e “Nove Sambas” (2018) — são explicitamente associados a esta tradição. O samba sempre continua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *