Jardim Japão

rodrigo_campos_por_josé_de_holanda__-_006

“São Matheus Não é um Lugar Assim Tão Longe” (2009) é samba e autobiografia. “Bahia Fantástica” (2012) é soul-realismo-fantástico. “Conversas com Toshiro” (2015) é cinema-canção; Japão, jardim de abstração e ficção. A cada disco, a inspiração explora a geografia de novos campos mas o narrador é o mesmo Rodrigo – que esbanja sagacidade na observação ou no delírio, no porto seguro do samba ou na invenção de um novo gênero. Haja estilo.

A compreensão dessa trilogia, em que cada disco guarda o intervalo de três anos entre um e outro, passa também pelos rastros deixados nas entrelinhas dos projetos que acontecem no meio tempo: três discos do Passo Torto, o último com Ná Ozetti; e “Encarnado” (2014), de Juçara Marçal, em que divide as guitarras com Kiko Dinucci e que tem sua composição “Velho Amarelo” no repertório.

Ná e Juçara fazem coro em “Conversas com Toshiro” e sua participação embeleza os arranjos de um jeito estranho e misterioso. Não são backing vocais padrão; são micro-invenções, uma criação nova dentro das músicas, que combinam quase absurdamente com as criaturas de Rodrigo. O ouvinte encontrará facilmente as referências ao cinema japonês, mas a beleza maior é no que não está explícito nem tampouco se explica. Ouça sem pressa.

(Por Ramiro Zwetsch)

No comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Toca da raposa | Radiola Urbana - [...] e piano elétrico), Gian Correia (violão 7 cordas) e Thomas Harres (bateria). Depois deste show, Rodrigo lançou seu terceiro ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *