Leoa macumbeira

Leoa macumbeira

A leoa devorou o lobo. Algo aconteceu e ela se elevou. Alessandra Leão é uma voz para se ouvir em 2019. Seu “Macumbas e Catimbós” está entre os discos brasileiros mais inspirados do ano e sua participação como protagonista em “Goma Laca: Cantos Populares do Brasil de Elsie Houston” é de um brilho que hipnotiza no palco e no álbum. A imagem que estampa a capa de “Macumbas” já...

Read More

Peito nu e punhal afiado

Peito nu e punhal afiado

A Radiola Urbana adere, a seu modo, à série #AgoraÉQueSãoElas e traz textos da jornalista Lígia Nogueira sobre dois dos melhores discos brasileiros de 2015, lançados recentemente por mulheres de diferentes gerações: na quarta, 04-11, o assunto é “Selvática”, de Karina Buhr; na sexta, 06-11, ela discorre sobre “A Mulher do Fim do Mundo”, de Elza Soares. Ambos...

Read More

Rotações afrobaianas

Rotações afrobaianas

O encontro dos tons jazzísticos com os ritmos afrobaianos rende grandes momentos no disco “Goma-Laca – Afrobrasilidades em 78 RPM”, que pode ser baixado de graça na internet. Resultado de uma profunda pesquisa dos jornalistas Ronaldo Evangelista e Biancamaria Binazzi no acervo da Discoteca Oneyda Alvarenga, do Centro Cultural São Paulo, o álbum apresenta releituras de canções...

Read More

Juçaravá

Juçaravá

Ah, Juçara Marçal, de novo? Virou um hábito, mesmo assim a gente sempre se surpreende: acostumada a arrebatar ouvintes com suas interpretações emocionantes e emocionadas, a cantora repetiu o script e machuca mais uma vez nossos corações com uma versão da canção “Ogum” (Domínio Popular, originalmente gravada pelos Filhos de Nagô, em 1931) dentro do irretocável projeto...

Read More

Karina Buhr interpreta “Secos & Molhados”, 17-05 (SP)

Karina Buhr interpreta “Secos & Molhados”, 17-05 (SP)

Read More

Karina Buhr interpreta “Secos & Molhados” (circuito SESC-SP)

Karina Buhr interpreta “Secos & Molhados” (circuito SESC-SP)

Read More

Karina Buhr interpreta “Secos e Molhados”, 23-02 (Santo André)

Karina Buhr interpreta “Secos e Molhados”, 23-02 (Santo André)

Read More

Ecos de 1973

Ecos de 1973

O 73 Rotações é uma das realizações que mais nos orgulha em quase dez anos de história da Radiola Urbana. Com nossa curadoria, o evento promoveu quatro shows no Sesc Santana — todos com ingressos esgotados — em que artistas brasileiros contemporâneos interpretaram discos clássicos lançados em 1973 (ou seja: 40 anos atrás): Karina Buhr interpretou “Secos &...

Read More

Na veia

Na veia

73 Rotações! Veja o vídeo de Karina Buhr interpretando “Primavera nos Dentes”, da banda Secos & Molhados. A versão da cantora e compositora para este clássico do rock brasileiro trouxe um peso extra às canções originais e sua performance de palco com identidade própria afastou as comparações com o incomparável Ney Matogrosso. Ela cantou acompanhada de Clayton Martin...

Read More

“Contra a Vontade do Chão” – Bruno Morais

“Contra a Vontade do Chão” – Bruno Morais

Bruno Morais, sem pressa, se firma como uma das vozes masculinas de maior personalidade da música brasileira e acerta na estratégia escolhida para registrar seu momento criativo entre o último disco (“A Vontade Superstar”, de 2009) e o próximo. Conforme compôs, gravou e criou versões para faixas de outros compositores, prensou as novas faixas em compactos de vinil e a coleção...

Read More

1973, hoje

1973, hoje

Karina Buhr x “Secos e Molhados”; Cidadão Instigado x “The Dark Side of The Moon” (Pink Floyd); Céu x “Catch a Fire” (Bob Marley & The Wailers); Fred 04 x “Nelson Cavaquinho”: veja as fotos de Vinicius Nunes dos 4 shows da série 73 Rotações — projeto com curadoria da Radiola Urbana, que promoveu uma viagem à música de 1973 através...

Read More

Um vira no baú

Um vira no baú

73 Rotações: Karina Buhr interpreta hoje (26/09) o disco “Secos e Molhados”, de 1973, no Sesc Santana, às 21h, com ingressos esgotados. Guilherme Werneck aproveita a ocasião e vira o baú da memória para trazer suas lembranças e impressões atualizadas sobre o primeiro disco da banda de João Ricardo, Ney Matogrosso e Gerson Conrad. Leia! Em 1974 eu tinha dois anos. Nada me...

Read More